sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

A arte de comentar II – Só comenta bem quem lê bem.

Acho que a natureza é nosso maior bem e precisamos preservá-la. A floresta amazônica por exemplo. Valeu. Visite meu blogue.

(o texto falava sobre a “natureza” agressiva do ser humano. O cara não leu, viu a palavra natureza na primeira linha e falou sobre a floresta.... huuum. Que gênio!)


Primeiro de tudo. Leia o texto. Isso é básico.
Tem colega de blogue que, quando encara uma postagem sem vídeos do youtube, sem piadinhas coladas de outros sites, e com um texto com mais de 15 linhas, lê as três primeiras linhas, as duas últimas e emite uma opinião completamente sem pé nem cabeça.
Para quem postou não fica mal, fica mal para quem escreveu a besteirada sobre algo que nem sequer leu. O saco de Filó é conhecido por ter comentaristas de grande qualidade de texto e opinião e que inserem comentários tão bons quanto os próprios textos postados. Já houve casos de comentários virarem objetos de comentários dentro da postagem, como se fosse outro tema da postagem na área de comentários.

O texto é grande, você não gosta de ler, pule. Deixe a vez para outro. O texto é de poesia e você não gosta, pule. Seja gentil. Essa é uma idéia básica da lei do retorno. Entretanto, se você vai ler, comece da primeira linha, acompanhe a idéia de quem escreveu (se estiver uma porcaria, interrompa e ceda sua vez). Leia, então, atentamente, até o final.
Ao término, pergunte-se: Eu entendi? Eu gostei? Vale a pena comentar? Se a resposta for sim. Mãos à obra. Identifique no texto um ponto da idéia que você pretende acrescer algo, ponderar, ou simplesmente elogiar. Comente então...

Se não der conta, seja gentil, pule, passe sua vez.


Leia também
A arte do comentário I: As comunidades e seu funcionamento básico


Postar um comentário