terça-feira, 28 de outubro de 2008

Poemeto limítrofe das nossas percepções de mundo.

Quais os limites
Para as ações justificadas pela fé?
Um poço fundo que nunca dá pé?

E as fronteiras entre a barbárie e o cultural.
Até que o raio caia em nosso quintal?

Qual o caminho para ser mais esperto?
Assumir o que se pensa...
Ou repetir o politicamente correto?

9 comentários:

DuDu Magalhães disse...

Acredito que assumir o que se pensar e realmente 'pensar' nos ideais, é uma boa! O caminho, ser 'politicamente correto' é chato...


http://minhainspiracao.blogspot.com/

Lilian Devlin disse...

Marcelo,
As respostas nós até as temos/sabemos, mas o "outro" saber/respeitar é que tá complicado, né?
E muitíssimo obrigada pelas visitas, pelos carinhosos comentários que vc fez e que, sem saber,acabou se transformando em "presentes" ,já que hj é o meu aniversário! ueba!
Beijos!
Ah, e eu anotei o nº do protocolo da minha reclamção. Vamos ver se esse SACD funciona! rs

Marcio Sarge disse...

Para a fé ela se basta e se fala em limites é porque és infiel, pelo menos é assim que reza a cartilha da mesma.

Alguns justificam a dor causada a outros pela máscara da cultura, seja a cultura da fé, seja a cultura da guerra. Acontece que é mais fácil julgar um muçulmano suicida de bárbaro e fechar os olhos para os porques de seus atos, que julgar a cultura da bomba e óleo da grande América, pois essa cai no quintal deles não no meu, não é?

O caminho pra ser mais esperto e assumir o que se pensa e dosar o que se fala, mas também é o mais solitário.

Abraço Marcelo!

30 e poucos anos. disse...

O importante é TER a coragem necessária para assumir os pensamentos e tomar posição e caminho em direção ao objetivo de vida principal

Anônimo disse...

vc vai longe em suas idéias, hein! continue c isso, eh mto bom. Valeu o coment no meu blog (o meleca)

All3X disse...

Minuto de silêncio...
Minuto não, séculos...
Estamos a muito tempo parados, ou agitados demais para resolver esses problemas.
Respostas a essas perguntas é tudo qu mais procuro.
O caminho a seguir é a eticidade.
Ou como diria o mestre Aristóteles, siga o caminho do meio, o qual é perseguido pela virude.
Valeu,
All3X

Anna Corbo disse...

Vou usar esse instrumento pra desabafo, ok?
Por falar em limites...
Fui crucificada por uma mãe de aluno pq seu filho levou uma suspensão de 3 dias por ter atirado uma pedra numa menina na rua e após a advertência acabou com a vida de um passarinho no ninho...
" Vc foi injusta com ele!!!!"
Fui? Sinceramente? Eu acho que não....
Querem me convencer de que falta de limites e bons valores é coisa normal hj em dia....
Vai ser difícil, heim!!!

Dedinhos Nervosos disse...

Eu geralmente assumo o que penso e muitas pessoas torcem o nariz para isso. Mas em alguns momentos isso não é muito esperto. Já que estamos no mundo dos adultos, muitas vezes precisamos ser diplomáticos em diversas situações. Mas isso não quer dizer se corromper.
Bj.

Anônimo disse...

Acho que sou ateu, tenho um Deus que não acredita em nada. A situação da fé anda critica, de tamanha indignidade que até pessoas crédulas estão indignadas. A religião que freguentava era uma mentira, não me ajudava em nada. Me diziam que era falta de fé, acredito que as praticas religiosas são inteiramente inúteis para os fiéis. Robert Shaw escreveu na Idade Média, uma frase que ficou celebre vendo a riqueza da Igreja Catolica ,a barbárie das Guerras e das desigualdades sociais. - "O homem na arte até quê não evoluiu muito mas na arte de destruição superou-se a si próprio." Já Thomas Mouros escreveu "UTOPIA" por ser dificil de ser alcançada. Acredito que fé é o medo de não se crer em nada e que consome a fé, o crente, enquanto o ateu se alimenta com mil hóstias e por fim também creio que Deus se tornou o lucro produzido pela fé depois de descontados todos os pecados devidos.
Agradeço ao blog pelo espaço concedido e achei a este singular e de muito bom gosto. Que continue assim.
JRN.