sexta-feira, 3 de outubro de 2008

A culpa não foi minha, nem te conto, rapaz, fico até sem graça contigo... Amanhã é o grande dia... Saco de sábado! Sem desculpas prontas...

O trabalho não foi feito porque os caras não fizeram a parte deles. Aí fica difícil. Além disso, eu só faltei aquele dia porque aconteceu um problema (nem te conto) e perdi o prazo porque houve um contratempo daqueles. Dessa forma, fico até sem graça com você, mas você não imagina o que aconteceu. Ah, e o documento não ficou pronto porque o fulano me boicotou, o cara está de marcação comigo só porque eu sou... eu sou.. Só porque eu sou eu... é coisa de implicância mesmo. Ah, e, no final das contas, acabou atrasando tudo porque eu fiquei mal com isso. Acabei doente, e para piorar, meu cachorro tinha sido atropelado no dia anterior, minha mãe arrumou uma confusão com o vizinho por causa de uma árvore no quintal. Perdi o dia para resolver o problema (sabe como é? Ela tem pressão alta e eu nem tive cabeça pra nada no dia)

Ai não deu tempo mesmo.

Cara, fico até sem graça de falar isso com você.

[A última frase sempre funciona como uma espécie de redenção de todas as desculpas esfarrapadas acima listadas. Use-a, mas faça cara de constrangido mesmo. Para isso, treine em frente ao espelho várias vezes antes de aplicar, pois a prática leva à perfeição]
Postar um comentário