sábado, 21 de junho de 2008

É big, é big, é big é big... é hora, é hora, é hora, é hora...

Aniversário é um dia sempre especial. A pessoa sente que acordou mais velho... Subitamente, isso deixa de ser especial no dia em que percebemos que todos os dias acordamos mais velhos.
Quando crianças, contamos os dias para o nosso aniversário como se este fosse uma espécie de marca de chegada em que registramos mais uma volta na corrida da vida.
Somos consumidos pela espera da festa e dos personagens que a povoam: o filho do amigo do seu pai (de quem você não gosta nem um pouco), mas tolera porque o pai dele vai trazer presente. O infame, em represália (parece que estava adivinhando) lhe dá uma blusa.
Para seu desespero, chegam nas mãos de alguns adultos alguns pacotes moles.... Pacotes moles são sempre assustadores. Aos 7 anos de idade ganhar uma blusa é como ganhar um pacote de papel higiênico de presente. Você sabe que vai usar, mas isso não é coisa que se dá de presente.
A festa, aos poucos, se enche com as crianças e com as tradicionais tias velhas que mantêm um padrão digno de uma franquia internacional. Usando vestidos ou saias e blusinhas de viscose, elas chegam sozinhas ou em bandos. Agrupam-se nos cantos das salas atraídas pela TV que passa novela. Passam boa parte da festa conversando entre si, assistindo a novela e reclamando entre dentes das crianças que passam correndo na frente da TV.
Os colegas sem noção dos seus pais também chegam. Aqueles caras ou aquelas mulheres que não casaram, ou são separados e aparecem na festa com a desculpa de prestigiar seu aniversário, mas, na verdade, estão atrás da cerveja que seu pai comprou e de um lugar para falar mal de alguém que trabalha com eles. A frase deles é ...”pois é... hoje, vou dar uma passada na festa do garoto do fulano”.
Não os repila. Normalmente, trazem bons presentes. Brinquedos.
O clima esquenta e o número de incidentes com crianças em um espaço físico tende a aumentar: Sua mãe, sabiamente, decide que é hora do parabéns.
Nessa altura, você já contabilizou alguns presentes bons (brinquedos) e outros não tão bons (roupas) que a sua mãe recebeu com um sorriso no rosto e forçou você a agradecer com um sorriso amarelo. Nossa! Que bom! Ele estava precisando mesmo de um par de meias. Agradece a tia, fulano.
E você agradece. Fazer o quê?
Todos se reúnem, Apagam as luzes. Parabéns tradicional... é big,é big... é hora, é hora..., Ra tim bum... Fulano, fulano...
Mas quando tudo parecia terminado.. eis que um infeliz puxa o famigerado: com quem será, com quem será... vai depender, vai depender... ela aceitou... Nunca soube onde termina essa macaquice, mas sempre a inseri nos meus cálculos como a distância entre mim e o bolo.
Por fim, o constrangedor “primeiro pedaço de bolo”... Momento em que, impossibilitado pela física, somos obrigados a agraciar uma pessoa em detrimento do resto da humanidade...
Uma difícil decisão aos 7 anos de idade... Vai para mãe que já é de praxe. Ela sorri toda boba.
***
Pois... um dia, despertamos e, aos 37 anos, sentimos que acordamos mais velho hoje... e amanhã também.

A festa acabou,
A luz apagou,
E agora, você.
E agora... Drummond.

Ficam as lembranças e uma saudade com gosto de bolo de chocolate comidos com garfinhos de plástico...
Ah sim... Continuo achando abominável o “com quem será...” que sempre atrasa o momento de cortar o bolo.

31 comentários:

Leo disse...

Isso me faz pensar que a cada ano, desde os meus 15 anos, eu sinto os anos passando cada vez mais rápido. Ou, o auge dos meus 10 anos, esperando a chegada dos 14 anos sem saber ao certo o porque.

Gustavo Ganso disse...

Tenho que dizer que cansei de comemorar aniversários, é sempre o mesmo, não é por causa do bolo, nem por causa das roupas, que eu até prefiro ganhar do que coisas que juntam pó, mas não sei, perdeu a graça.

Quando eu era pequeno eu já não curtia muito, nunca fui de convidar muuuitos amigos. Mas que ganhar roupa era horrível na época, era, pior, só ganhar roupa do amigo pois não servira nele. E o "Com quem será" era uma tortura, pois cada vez aumentavam o música em um verso.

E eu sempre cantei é pique, é pique, é hora, é hora...Será que eu cantei errado todo esse tempo?

até
Gustavo Ganso

disse...

Nunca tive festas de aniversário...
Não, isso não é um lamento!!
Até prefiro que meus aniversários passem em branco. Acho que sou precose: sofro com inferno astral desde que nasci!!!
Semana passada foi o meu 'grande dia': 35 anos.
A idade pesa e sinto saudades de quando ganhava os tais pacotes moles, mesmo que não tivesse festa.

(um tom de melancolia nessa postagem!)

Abços

Byers disse...

A cada dia que passa a unica certeza que temos eh que ficamos mais velhos...kkkk

Saulo Henrique disse...

opaaa
haha.. interresante o texto
sempre tive festas de aniversário
ultimamente nem tanto
mas por muitos anos eu tive

uma data PERFEITA pra reunir tooodos os seus amigos, aquelas pessoas ki vc gosta e faz um tempo ki naum vê
por isso eu gosto do dia de meu niver
hehe

passa lá.. tô começando agora
www.blogordinhoxd.blogspot.com
abraço

blog disse...

E o pior é que corrompem a Marcha Nupcial embutindo nela uma letra que presumem ser engraçada.

Aniversários são bons quando nossos amigos se lembram - sem que os estimulemos.
Mas, claro, Schoppenhauer tinha certa razão: é a proximidade da morte. comemorar para quê?
Mesmo assim, gosto quando se lembram.

Veiga disse...

incrível... o texto ficou perfeito!!

é isso mesmo que acontece num aniversário de criança.

UAHSuAHSUHAUShUAHS

roupas?? naooooooooo...
brinquedos?? simmmmmmmmm...


abraço

__((::_Perfect Girl_::))__ disse...

Realmente seu texto diz o que eu penso...

Tenho 21 anos, mas sabe quando você se sente velho? Pois é, acho que cheguei a esse ponto... O_o

Seu texto me fez lembrar do meu aniversário de 7 anos, encheu de gente e foi uma prima que tinha acabado de melhorar da catapora... sim, todos estavam se divertindo, eu ganhando aqueles presentes "adoráveis" (blusas e vestidos, acho que uma boneca só... rs), quando no outro dia eis que me levanto empipocada (é assim que se escreve?).... Ganhei um lindo presente ne????????

x)

Mas enfim, a vida passa muito depressa... quando crianças queremos que o tempo passe rápido, e depois somos exatamente o contrario... Interessante ne?

Adorei.... volto mais vezes viu?????

Passa no meu se quiser...

http://nelinhalokinha.blogpost.com

Beijos

Beline disse...

Pois é, e quando chegamos a certa idade, essa mesma na qual vamos morara sozinhos e ficamos incapazes de comprr coisas simples como papel igiênico, lampadas e MEIAS. Tudo o que eu queria neste aniversários eram alguns brigadeiros e meias, muitas meias...

Leonardo luiz lino disse...

Só é um dia a menos na sua vida,infelizmente ou felizmente.



>> www.topzet.com
(cinema,séries,livros,música...)

Anônimo disse...

cada vez mais velhos
LoL

abraços
http://blogaragem.blogspot.com

Conquistadores (Didixy) disse...

Realmente Marcelo. De primeiro eu contava os dias para meu aniversário e hoje, fico deprimido quando chega a data do meu aniversário. As vezes até sinto me envergolhando, não querendo que ninguém conta parabéns para mim, mas fazer o que é a vida. Temos que lidar com isso, mas que fica uma imensa saudades no coração, ah, se fica.

*.*Allegr!a*.* disse...

As idades merecem mesmo comemorações...
Todas as idades vividas intensamente!
Quanto mais vividos, mais experientes (não necessariamente maduros) melhor o aproveitamento do tempo!
O cansaço é da alma...
É daquelas dores, rancores, amores...
Amanhã se acordarmos velhos, isso será um fato; mas se acordarmos com o espírito renovado: Tcharam...
Saiam da Frente! O mundo vai ficar pequeno!

Beijo

Cássio disse...

Olá, primeiramente, obrigado pela visita ao meu blog!Sim,eu li, o texto que vc me mandou de Tchekhov, muito bom, tens alguns livro para me endicar dele?! Eu quero saber, mas antes de lê-lo, preciso no mínimo diminuir a pilha de uns 25 livros (mais ou menos) que tem na minha estante e que só fazem aumentar a cada dia que se passa!Mas concerteza pretendo ler, mais cedo ou mais tarde.Eu li alguns posts como o "Esse sedutor orkut..." e esse mais atual.O texto atual descreve perfeitamente a tal data de aniversário.Atualmente, não gosto mais de aniversários, sei lá, acho que tornaram-se meros clichês!Gostei da comparação de roupas com "pacote de papel higiênico", muito bom!
Gostei bastante do seu blog, voltarei concerteza mais vezes!
Abraços.

Leonardo Werneck disse...

Ahh cara, depois dos meus 17 anos, comecei a gostar das festas que eu recebia depois das festas de aniversário... eram esão ótimas!


Abraços

Sammyra Santana disse...

Parabénsss amigo!

Ah... ainda dá tempo! corre ali, compra um big bolo de chocolate e os garfinhos de plástico e comemora os trinta e sete com o mesmo brilho nos olhos dos sete!

e, sim, aguenta o "com quem será, com quem será"... pq aniversário sem alguém enchendo o saco com essa baboseira, nao tem graça! rsrs

Wander Veroni disse...

Oi, Marcelo!

Parabéns pelo aniversário. Mta sorte, sáude e sucesso. Gosto da palavra sorte e a desejo para tds os meus amigos pq creio q ela seja mágica: as coisas que queremos sempre irão acontecer na hora certa e no momento certo. Qdo? Acho q nem Deus sabe...hehehe...rs...brincadeirinha...rs

O mais engraçado é como eu me vi no seu relato de aniversário, na época infantil. Reuniões de família parecem que até são roteirizadas de tanto que, por mais que as famílias sejam diferentes, aguns personagens sempre são os mesmos...hehehe...rs

Uma informação inútil e, ao mesmo tempo engraçada, que o meu professor de Ética e Legislação na Comunicação, nos passou na pós, na última aula: a música do parabéns pra vc não é de domínio público e uma possui uma autora, da qual não me recordo o nome no momento, que faleceu a pouco tempo. Até zoamos lá na sala que,se bobear, o ECAD passa numa festa infantil, para arrecadar em cima da canção mais famosa de aniversário...rsrsrs

Excelente post pra variar!!!

Abração e inté,

=]
__________________________
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Lomyne disse...

Sei lá se é tão cruel assim fazer aniversário, mas prefiro achar que não... Guardo boas lembranças dos meus, inclusive uma bem divertida da minha natureza cara-de-pau, justamente do meu aniversário de sete anos:

Minha tia tinha acabado de comprar uma filmadora e no final da festa foi filmar meus presentes e foi perguntando quem que me deu. Então ela apontou um específico e eu respondi com a maior naturalidade: esse eu não lembro, mas eu não gostei mesmo! depois minha mãe troca! E fica aquele silêncio macabro no vídeo... Ok, eu era uma criança cruel...

Ludmila disse...

[rindo sozinha]

Ainda bem que preparamos para você apenas a apresentação em Power Point, imagina se ao final puxássemos um "Com quem será?"?!

Ah, não! É mais forte que eu. Vou ter que cantar... se eu tivesse lido isso antes, ontem você estaria perdido, rsrsrs.

Aí vai:

Com quem será?
Com quem será?
Com quem será que o Marcelo vai casar?
Vai depender
Vai depender
Vai depender se a Camila vai querer
Ela aceitou
Ela aceitou
(...)

Parabéns de novo, professor!!! ^^

Abraços

[/rindo sozinha]

DuDu Magalhães disse...

hudahsuduahduhsa

isso também acontece no aniversario de gente grande, e gentem mais grande ainda! xD~~

http://visaocontraria.blogspot.com/

Dih da Pâhzinha... disse...

Essa do com quem será nunca cantaram em meu niver...
Mas sabe eu sempre adorei meus aniversários e sempre vou adorar!
Pra mim o que importa é fazer festa e comemorar mais um ano de vida!!!!

http://www.avidanobeco.com/

rosangela disse...

Quando pequena adorava isso, festas amigos, todos juntos e nem ligava muito para os presentes..

Hj sinto que perdeu a graça.. não vejo com os mesmo olhos, e sem contar que a cada dia que passa fico mais velha :(

Quando se é novo não ver a hora que de chegar em tal idade .. depois quer que o tempo passe mais devagar.. oq não parece.. parece cada vez mais rapido .. e a idade chegando .. chegando ... rsrs

Abç..

Fernando disse...

É verdade,presentes moles são sempres assustadores,pode ser que você ganhou uma roupa (e eu pelo menos odiava ganhar roupa das tias).




>> www.topzet.com
(cinema,séries,música,livros...)

Anônimo disse...

nossa, achei lindo seu post, acho que faz todo mundo lembrar de um tempo que odiava na época mas que agora tem saudade (se bem que eu não tenho saudade desse pandemonio ai não)
rsssss

http://prixhoje.blogspot.com/

bejux

Michell Niero disse...

sempre tive uma grande dificuldade em lidar com aniversários. Talvez porque ceticismo e "cumpleanõs" não combinem. Acho que as comemorações não podem ter data e hora marcada.

Aprecio as demonstrações espontâneas de apreço, mas essas são bem díficeis de se conseguir.

Katarina disse...

Adorei!
Vc conseguiu passar com maestria e bom humor a emoção de uma criança de 07 anos e de um adulto com esse fenômeno curioso que é observar o girar da Terra e o passar dos anos...
A emoção, no fundo, é a mesma! Porque não deixamos nunca de ser...humanos.

Agora... eu tb sempre detestei o "com quem será..." rsrsrs

Clarissa Mieko disse...

Eu já disse, mas vou repetir eu realmente adorei essa crônica! Voltei para ler mais uma vez, e comentar, é claro! ^^
Eu sempre gostei de festas de aniversário... lendo sua crônica me lembrei de vários eventos presentes na minha infância, como a empolgação pelos saquinhos surpresa (que nunca são de fato uma SURPRESA) que a mãe da gente sempre coloca na festa e que você mesmo sabendo o que tem dentro fica a festa inteira esperando para abrir, jogar os brinquedinhos (miniaturas de flor, carrinho, bonequinhos), balas, pirulitos no chão para brincar...
Ah e claro da decepção por ter sempre um infeliz de um primo, vizinho, ou seja lá quem for, que tem menos idade que você e sempre sopra SUA vela de aniversário antes de você...porque sabe como é, ele é menor que você... (sabe...acho que isso me aborrecia mais do que o inconveniente "com quem será...") rs...

everton disse...

comecei a pensar nisso quando fiz 15 anos... hoje , pasados 10 anos já me encontro em desespero...o aniversário só é bom no dia que vc ganha os presentes e festas...depois...aff.. vem a depressao...hehe!!

Autora disse...

Muito bom!
Me fez pensar nos meus aniversários. Minha mãe adorava fazer cada detahes: enfeites, doces, bolo... Só não gostava mesmo da festa. Eu não lembro de ganhar muitos presentes. As pessoas não tinham muita grana. Quem sempre me dava alguma coisa era meu padrinho, uma madrinha e uma ou duas pessoas amigas da família.

Cortar o bolo nunca foi o suplício porque, como disse, minha mãe detestava a festa. Assim que a última pessoa convidada chegava (não eram muitas) ela dizia: 'vamos cortar o bolo'. E a gente ia...

Desde que eu não fiz festa de 15 anos porque achava sempre tudo muito brega, parei de fazer festas nas outras idades. Hoje eu acordo tarde todo 31 de julho. Tô sempre em férias mesmo nessa data. Saímos para almoçar, minha mãe me dá uma roupa (aos 21 isso é aceitável!) e pronto.

Lomyne disse...

A falácia é uma região da Itália que, no tempo da ocupação egípcia assumiu alguns cultos a deuses antropomorfizados e cujas imagens depois descobertas como falsas deram origem à sua utilização atual. Que que você acha? Boma pesquisa etimológica? ;-)

Pensamentos Indizíveis disse...

Oi, Marcelo! Tudo bom?
Lindo seu nome! ;-)
Conheci seu blog há pouco tempo e estou devorando todos os posts.
Este, do aniversário, achei demais! A descrição das festinhas infantis foi certeira, me deixou com gosto de saudades!
Mas penso um pouco diferente: amo fazer aniversário (já fiz 27 aniversários!) e sinto como se aquele dia fosse um réveillon particular (não, eu não sou adepta da auto-ajuda, mas penso assim mesmo!). Sabe em que ocasiões me senti envelhecendo? Quando o pessoal da minha turma começou a se casar por livre e espontânea vontade e não porque engravidou, e agora que esse mesmo pessoal está engravidando por opção, e não por acidente! Isso me assusta!
Bom, é isso!
Agora vou ler mais posts que eu estou gostando bastante!
Beijão!
Marcela